Copy
"Notícias do ICAAM" - Boletim Informativo do ICAAM, Instituto de Ciências Agrárias e Ambientais Mediterrânicas da Universidade de Évora
View this email in your browser

EDITORIAL

O ICAAM inicia com este Boletim Informativo a divulgação regular das suas atividades junto dos parceiros com que trabalha e colabora no contexto regional, nacional e internacional, assim como de todos aqueles a quem esta informação possa interessar.
Esta divulgação já vem sendo feita pontualmente, quando organizamos eventos abertos ao exterior ou no dia a dia, diretamente pelos nossos investigadores que têm ligações com outros investigadores, produtores, associações, empresas e instituições. No entanto, porque consideramos a divulgação das nossas atividades da maior importância, pretendemos passar a fazê-lo de forma sistemática de forma a que os nossos parceiros possam ser regularmente informados do que fazemos e, eventualmente, descubram áreas de atividade do ICAAM que desconheciam.

Privilegiamos uma cultura de abertura e de comunicação, porque a investigação que desenvolvemos resulta maioritariamente de questões que se levantam na prática, e é voltada para a resolução de problemas reais ou para o desenvolvimento de ideias que venham a ter aplicabilidade.  Por outro lado, porque é uma investigação sistémica e interdisciplinar, envolvendo múltiplos domínios de conhecimento a múltiplas escalas, onde a interação entre diferentes ramos da ciência é uma necessidade e uma realidade do quotidiano. Desta forma, para além da interação com quem opera no campo, o contacto e colaboração com outras equipas de investigação, com especialidades complementares às que temos, é tão essencial como a colaboração interna. A divulgação e a abertura ao exterior são assim condições necessárias ao papel central que queremos desempenhar na dinamização da investigação sobre sistemas agrícolas e florestais mediterrânicos e os ecosistemas com eles relacionados, e consequentemente de apoio à agricultura e ao desenvolvimento rural, não apenas na região do Alentejo mas em todas as regiões onde o conhecimento sobre os sistemas mediterrânicos possa ser útil.
Esperamos que este Boletim Informativo seja um suporte para esta comunicação, com interesse e utilidade para os que a recebem. Sugerimos desde já ao leitor que a divulgue junto potenciais interessados, e fazemos votos para que este Boletim incentive e facilite o contacto com o ICAAM, de forma a que quem estiver interessado naquilo que fazemos nos possa mais facilmente contactar e trazer sugestões.
Muito obrigada pelo seu interesse!

Teresa Pinto-Correia, Diretora do ICAAM
 

OPINIÃO


Alguns trabalhos de Investigação Agronómica em Portugal

 
Miguel Mota
Estação Agronómica Nacional, Oeiras e Universidade de Évora



(...) Consciente da certeza de produzir algo que fique longe do que seria desejado, tentarei, baseado numa longa vida de várias décadas envolvido nesse tipo de trabalho, indicar apenas "Alguns trabalhos de Investigação Agronómica em Portugal" em que procurarei listar alguns casos dessa enorme tarefa que, no seu sentido mais lato, tem por objectivo último fazer melhor agricultura. Apenas posso garantir que se trata duma pequena parcela dum muito maior universo, envolvendo muitos investigadores, nos múltiplos sectores da Investigação Agronómica.

Como todas as outras, a investigação agronómica é a fonte da agora tão apregoada "inovação", uma palavra que os nossos políticos começaram a usar quando "lá fora" se começou a falar, em inglês, em "innovation". Se na indústria ou na saúde é importante o país ter investigação científica, na agricultura ela é absolutamente necessária. É possível construir em Portugal automóveis, televisões ou telemóveis com tecnologia estrangeira. Mas, pelas diferenças específicas da combinação solo e clima, a agricultura exige experiência local e a importação directa da técnica estrangeira pode dar casos de verdadeiro desastre, como logo após o 25 de Abril aconteceu.
O facto de qualquer melhoria, mesmo pequena, ser aplicada a uma vasta área, causa na produção aumentos de tal montante que até o orçamento do estado colhe, nos impostos sobre esses aumentos, bem mais do que ali investiu. Enquanto a melhoria for aplicável, o aumento de rendimento líquido, para o agricultor e os impostos sobre esse aumento, para o estado, continuam a verificar-se, muito depois do gasto inicial. É esse o caso do único exemplo de que tenho conhecimento haver dados quantitativos dos resultados da investigação agronómica. ...ler mais


NOTÍCIAS


ESADR 2013 â€œAlimentar mentalidades, vencer a crise global” 
 
“Alimentar mentalidades, vencer a crise global”  foi o mote que orientou os trabalhos, debates e discussões no ESADR 2013 – Economia, Sociologia, Ambiente e Desenvolvimento Rural - que decorreu na Universidade de Évora de 15 a 19 de Outubro de 2013. ...ler mais
Simpósio Agricultura, Energia e Ambiente

Realizou-se no dia 6 de Novembro na Universidade de Évora o Simpósio “Agricultura, Energia e Ambiente”, que juntou investigadores, técnicos, produtores, e todas as pessoas interessadas nestes temas, possibilitando a sua discussão. ...ler mais

PROJETO | H2Olive3S 

Da parcela à região: gestão da rega de olivais intensivos e super-intensivos a partir de informação de satélite

O projecto H2Olive3S aplica as mais sofisticadas tecnologias de detecção remota à gestão da rega nos novos olivais do Alentejo, com o objectivo de optimizar a utilização da água garantindo a eficiência da produção e a maximização do rendimento das explorações. ...ler mais
 
 

PUBLICAÇÃO
| Bioproteção: fungos do solo podem controlar toxicidade  de manganês

Brito I, Carvalho M, Alho L, Goss MJ. 2014. Managing arbuscular mycorrhizal fungi for bioprotection: Mn toxicity. Soil Biology and Biochemistry. 68: 78–84. DOI: 10.1016/j.soilbio.2013.09.018
O trabalho recentemente publicado na prestigiada revista Soil Biology & Biochemistry demonstrou que a toxicidade de manganês na cultura de trigo poderá ser ultrapassada pela associação de fungos benéficos presentes no solo (micorrizas arbusculares), desde que sejam adotadas práticas agrícolas adequadas. ...ler mais

CIÊNCIA E SOCIEDADE


Projeto “Sou Cientista”

O Projeto “Sou Cientista” iniciou o segundo ano de trabalhos!
Os alunos do 12º ano de Biologia envolvidos no projeto vieram ao ICAAM e participaram numa sessão em que os nossos cientistas lhes apresentaram os projetos de investigação em que terão oportunidade de participar ativamente durante o corrente ano letivo. ... ler mais

| Semana C&T 2013:  Passeio Científico “O Mundo Oculto dos Cogumelos”


|Workshop Micológico
 

Todos os anos, com a chegada do Outono e das primeiras chuvas, surgem súbita e misteriosamente os cogumelos silvestres: uma enorme diversidade de formas, cores, odores, sabores despertam a curiosidade e interesse de um número crescente de pessas que querem conhecê-los melhor.
Apresentamos duas propostas para ficar a saber mais sobre os inúmeros e magníficos cogumelos que podemos encontrar na Herdade da Mitra. ...ler mais

PROXIMAMENTE


Livro Verde Montados - Sessão de lançamento
 

A sessão de lançamento do Livro Verde dos Montados terá lugar na edição de 2013 da Feira do Montado, que decorrerá um Portel entre os dias 28 de novembro e 01 de dezembro. ... ler mais


Workshop "Conservação da Fauna Piscícola e Mudanças Climáticas”
 
O Workshop Conservação da Fauna Piscícola e Mudanças Climáticas em cursos de água de tipo Mediterrânico tem como objetivo contribuir para a partilha e discussão de conhecimento no âmbito da conservação de um dos grupos faunísticos mais ameaçados em Portugal assim como em muitos cursos de tipo Mediterrânico, dada a sua particular vulnerabilidade às mudanças globais. ...ler mais
 

EM VISITA AO ICAAM


Susanne Gregor is a German Medical-Technical-Assistant working for the German company INOQ and visiting ICAAM’s Molecular Biology Lab for 2 months.
 

In Susanne's opinion, "the exchange between European Union countries, and between universities and private companies, brings real meaning to the european ideal - the ICAAM-INOQ-project provides a good example“. ...read more
 

O Boletim Informativo “Notícias do ICAAM” é editado em formato digital, com periodicidade trimestral, pela Unidade de Divulgação e Inovação Tecnológica do ICAAM.

Para receber as nossas notícias preencha por favor o seguinte FORMULÁRIO 


ICAAM, Instituto de Ciências Agrárias e Ambientais Mediterrânicas | www.icaam.uevora.pt
 

 
 
Copyright © 2019 *|LIST:COMPANY|*, All rights reserved.


unsubscribe from this list    update subscription preferences 

Email Marketing Powered by Mailchimp

NOTÍCIAS

ESADR 2013 â€œAlimentar mentalidades, vencer a crise global”  

“Alimentar mentalidades, vencer a crise global”  foi o mote que orientou os trabalhos, debates e discussões no ESADR 2013 – Economia, Sociologia, Ambiente e Desenvolvimento Rural - que decorreu na Universidade de Évora de 15 a 19 de Outubro de 2013.

Durante quatro dias, mais de 300 investigadores de 10 países, predominantemente lusófonos, apresentaram cerca de 300 comunicações orais e 30 em poster, discutindo ideias e propostas para enfrentar a crise global, de modo sustentável,  através da dinamização das populações rurais e da sociedade envolvente, e da promoção do desenvolvimento socioeconómico.
As várias associações científicas ligadas à Economia, Sociologia, Ambiente e Desenvolvimento Rural uniram esforços, juntaram-se, trocaram ideias e deram um saldo positivo a este mega evento. Estabeleceram-se muitos contactos e consolidaram-se os já existentes, não só na comunidade lusófona, mas também a nível Europeu e da América Latina.
ESADR 2013 foi uma organização conjunta da Associação Portuguesa de Economia Agrária (APDEA), da Sociedade Portuguesa de Estudos Rurais (SPER) e da Universidade de Évora através do ICAAM e do CEFAGE, com o apoio do CETRAD e do CESNOVA. Englobou o VII Congresso da APDEA, o V Congresso da SPER e o I Encontro Lusófono em Economia, Sociologia, Ambiente e Desenvolvimento Rural. Contou com a participação da Sociedade Brasileira de Economia, Administração e Sociologia Rural (SOBER) e da Associação Portuguesa de Desenvolvimento Regional (APDR).

Maria Leonor Silva Carvalho, Comissão Organizadora


Simpósio Agricultura, Energia e Ambiente

Realizou-se no dia 6 de Novembro na Universidade de Évora o Simpósio “Agricultura, Energia e Ambiente”, que juntou investigadores, técnicos, produtores, e todas as pessoas interessadas nestes temas, possibilitando a sua discussão.
O evento contou com a apresentação de comunicações orais e em formato de póster em temas que incidiram sobre a eficiência energética na agricultura, a utilização de novas tecnologias na produção agrícola, a agricultura de conservação, a produção de biomassa e biocombustíveis, e os efeitos da agricultura sobre a biodiversidade. 
Foi possível verificar que existe muita informação e conhecimento em todas estas áreas, que poderá ser útil para ultrapassar os desafios que se colocam atualmente no sentido de melhorar a conservação de recursos escassos, como o solo e a água, aumentar a eficiência do uso de fatores de produção, encontrar novas culturas, diminuir os consumos energéticos na agricultura e melhorar ainda mais as tecnologias associadas à produção, possibilitando aumentar a produtividade agrícola de um modo sustentável e ambientalmente correto.
O Simpósio Agricultura, Energia e Ambiente foi coorganizado pela Secção Especializada de Engenharia Rural da Sociedade de Ciências Agrárias de Portugal e pelo ICAAM, Instituto de Ciências Agrárias e Ambientais Mediterrânicas.

Luís Leopoldo Silva, Comissão Organizadora

PROJETO | H2Olive3S

Da parcela à região: gestão da rega de olivais intensivos e super-intensivos a partir de informação de satélite

O projecto H2Olive3S aplica as mais sofisticadas tecnologias de detecção remota à gestão da rega nos novos olivais do Alentejo, com o objectivo de optimizar a utilização da água garantindo a eficiência da produção e a maximização do rendimento das explorações.

Porquê este projeto?
 
A escassez de água disponível é uma das grandes preocupações a nível mundial, sendo cada vez mais importante encontrar formas de melhorar a gestão deste recurso essencial.
Nas regiões de clima mediterrânico, como o Alentejo, durante grande parte do ano a quantidade de água presente no solo é muito reduzida, obrigando a que uma fração importante da água disponível seja utilizada na rega.
O olival representa quase 15% da superfície agrícola do Alentejo, ultrapassando os 160 000 hectares. Tradicionalmente o olival era uma cultura de sequeiro, com baixa densidade de árvores. Atualmente têm-se vindo a instalar novos tipos de explorações em regime intensivo e super-intensivo, que permitem produções muito superiores mas dependem da rega para os atingir.

Quais os resultados  esperados?
 
O projeto H2Olive3S irá melhorar o conhecimento dos olivais em regime de exploração intensivo e super-intensivo no Alentejo, de forma a responder às seguintes questões:
  • De que quantidade de água precisam as plantas, ao longo do ano, neste tipo de olivais? Mais água significa sempre maior e melhor produção?
  • Como podemos determinar a rega necessária, em cada momento  e em cada local? Como utilizar os dados obtidos por satélite para obter essa informação, à escala regional e da parcela?
  • Como disponibilizar os resultados obtidos para poderem ser utilizados pela comunidade?
Como resultado final está a ser desenvolvida uma plataforma SIG que permitirá integrar os modelos desenvolvidos ao longo do proejto.
Esta ferramenta permitirá disponibilizar informação útil no apoio à decisão, contribuindo para uma gestão mais racional e eficiente da rega dos olivais e para a economia de água e de energia, mantendo os níveis e qualidade da produção.
 

Quem participa?
 
O projeto H2Olive3S reuniu investigadores do ICAAM e do ISA e estabeleceu parecerias com duas empresas que exploram olivais: Fundação Eugénio de Almeida, olival em regime intensivo e Olivais do Sul – Sociedade Agropecuária, Lda (Monte do Trigo, Évora) – exploração de olival em regime super-intensivo. Todo o trabalho de campo foi realizado nos olivais destas empresas, possibilitando o desenvolvimento do trabalho em condições reais de exploração.

PUBLICAÇÃO
| Bioproteção: fungos do solo podem controlar toxicidade  de manganês

Brito I, Carvalho M, Alho L, Goss MJ. 2014. Managing arbuscular mycorrhizal fungi for bioprotection: Mn toxicity. Soil Biology and Biochemistry. 68: 78–84. DOI: 10.1016/j.soilbio.2013.09.018
O trabalho recentemente publicado na prestigiada revista Soil Biology & Biochemistry demonstrou que a toxicidade de manganês na cultura de trigo poderá ser ultrapassada pela associação de fungos benéficos presentes no solo (micorrizas arbusculares), desde que sejam adotadas práticas agrícolas adequadas.
A toxicidade de manganês é um problema nacional mas também global, que afeta o crescimento de muitas culturas comprometendo a utilização de vastas áreas de terra para a agricultura. Este problema pode ser em parte resolvido pela aplicação de calcário dolomítico; no entanto, em algumas zonas este não se encontra disponível e, por outro lado, esta solução implica custos am alguns casos elevados.
Torna-se por isso necessário encontrar alternativas eficazes para a resolução do problema - esta é uma das linhas de trabalho  do Laboratório de Microbiologia do Solo do ICAAM, que se tem dedicado desde há vários anos ao estudo da enorme diversidade de microrganismos benéficos que existem naturalmente nos solos e ao desenvolvimento de práticas culturais que permitam tirar partido das vantagens da associação destes micróbios com as culturas.
As micorrizas arbusculares são fungos que existem naturalmente no solo e que crescem em associação com as raízes das plantas. Desde há muito que se sabe que estes microrganismos têm efeitos benéficos e protectores para muitas espécies vegetais. As micorrizas formam no solo uma rede de filamentos muito extensa e ramificada, que se associam intimamente às raízes aumentando a sua capacidade de absorção de nutrientes e água e protegendo as plantas de doenças e outras agressões do meio ambiente. O que os autores deste trabalho mostraram foi que o problema da toxicidade de manganês na cultura de trigo pode ser solucionado criando as condições adequadas à sua associação com as micorrizas.

Efeito da presença de micorrizas no crescimento de trigo em solo com toxicidade de manganês.
Em ambos os vasos semeou-se serradela, uma planta tolerante ao manganês que promove o desenvolvimento das micorrizas do solo. Passadas 7 semanas aplicou-se herbicida e, após alguns dias, a terra do vaso da esquerda foi passada por um crivo fino que destrói a rede de microfilamentos (este processo simula a mobilização do solo) e a do vaso da direita foi deixada intacta.

Nos dois vasos foi semeado trigo - a fotografia mostra a diferença de crescimento nos dois casos. No vaso da esquerda são claramente visíveis os efeitos da toxicidade de manganês, que não se observam no vaso da direita em que o micélio intacto das micorrizas foi capaz de promover a rápida micorrização da cultura, protegendo-a dos efeitos tóxicos do manganês desde o início do seu crescimento.
 

Para tal é necessário começar por promover o desenvolvimento da “rede” de filamentos do fungo, o micélio, antes de semear o trigo. As micorrizas desenvolvem-se a partir de “sementes” microscópicas (esporos) naturalmente presentes no solo, necessitando da presença de plantas hospedeiras que poderão ser espontâneas os semeadas para o efeito, desde que sejam tolerantes aos níveis de manganês existentes no solo.
Numa segunda fase, estas plantas deverão ser controladas através de corte ou do uso de um herbicida adequado após o que será semeado o trigo utilizando sementeira direta, para que o micélio não seja quebrado pela mobilização do solo.
A chave do sucesso está em permitir o crescimento dos filamentos micorrízicos (com plantas adequadas) e mantê-los intactos até à sementeira da cultura (não perturbando o solo), de modo a  que as raízes do trigo se associem desde o início a essa “rede” protetora.

Isabel Brito, Mário Carvalho e Luís Alho, autores do artigo que resultou de uma colaboração entre o ICAAM e Michael Goss da Universidade de Guelph, Canadá.

CIÊNCIA E SOCIEDADE






Projeto “Sou Cientista”


O Projeto “Sou Cientista” iniciou o segundo ano de trabalhos!
Os alunos do 12º ano de Biologia envolvidos no projeto vieram ao ICAAM e participaram numa sessão em que os nossos cientistas lhes apresentaram os projetos de investigação em que terão oportunidade de participar ativamente durante o corrente ano letivo.

De acordo com as suas escolhas, e organizados em pequenos grupos de trabalho, os alunos irão agora estudar e conhecer melhor o projeto em que vão estar envolvidos; no segundo período virão aos laboratórios contactar de perto com as experiências em curso e “pôr as mãos na massa”!
Para além de estágios científicos para os alunos do 12º ano, o projeto prevê a realização de uma formação dirigida a professores dos 10º e 11º anos de Biologia e Geologia, em que serão trabalhados alguns conteúdos programáticos numa perspetiva de atualização de conhecimentos e desenvolvimento de atividades experimentais.
 
O projeto “Sou Cientista” envolve o ICAAM, as Escolas Secundárias André de Gouveia e Gabriel Pereira e o Centro de Formação Beatriz Serpa Branco, e tem como objetivo aproximar alunos e professores de Biologia do ensino secundário da realidade da investigação científica.

Siga as nossas atividades visitando o nosso blog [http://soucientistaicaam.blogspot.pt/] - poderá inscrever-se no final para receber as últimas notícias.

 



“Sou Cientista” é financiado pela Ciência Viva, no âmbito do programa “ESCOLHER CIÊNCIA”.  
| Semana C&T 2013:  Passeio Científico “O Mundo Oculto dos Cogumelos”


|Workshop Micológico
 



Todos os anos, com a chegada do Outono e das primeiras chuvas, surgem súbita e misteriosamente os cogumelos silvestres: uma enorme diversidade de formas, cores, odores, sabores despertam a curiosidade e interesse de um número crescente de pessas que querem conhecê-los melhor.
Apresentamos duas propostas para ficar a saber mais sobre os inúmeros e magníficos cogumelos que podemos encontrar na Herdade da Mitra.

Já no dia 20 de novembro, celebramos a Semana da Ciência e Tecnologia com uma manhã bem passada - um passeio de observação e identificação de cogumelos dirigido ao público em geral e com participação gratuita.
Para aqueles que preferirem uma atividade mais completa sugerimos a inscrição no Workshop Micológico “O Mundo dos Cogumelos”  - no dia 07 de dezembro, a manhã será dedicada à observação e colheita de exemplares que serão identificados durante a tarde nos nossos Laboratórios. O valor da inscrição é de 20€, e inclui a participação em todo o programa, material didáctico, material para a colheita de cogumelos no campo e Certificado de Participação (preços especiais para famílias).
 
Ambos os eventos serão acompanhados pelos investigadores do ICAAM Celeste Silva e Rogério Louro.
 
Recomendamos: Trazer vestuário e calçado apropriado para passeio no campo (prático e impermeável).
 
Saiba mais e inscreva-se em www.icaam.uevora.pt

VOLTAR
 
 

PROXIMAMENTE







Livro Verde dos Montados
Sessão de lançamento 


A sessão de lançamento do Livro Verde dos Montados terá lugar na edição de 2013 da Feira do Montado, que decorrerá um Portel entre os dias 28 de novembro e 01 de dezembro. 
O Livro Verde dos Montados, promovido pelo ICAAM no seguimento da Conferência Internacional “MONTADOS and DEHESAS as High Nature Value Farming Systems” realizada em fevereiro, foi produzido por um conjunto alargado de investigadores e técnicos que, a nível nacional, trabalham sobre as diferentes componentes do Montado.
Os objetivos do Livro Verde incluem a reunião, de forma simples e acessível, do conhecimento existente em Portugal sobre o Montado e a produção de um documento que promova a sensibilização do público e dos decisores sobre os valores e fragilidades deste sistema assim como dos caminhos que podem ajudar à sua sustentabilidade.
No final do mês de julho, o Livro Verde foi apresentado e discutido numa sessão que contou com a participação de investigadores, parceiros que atuam na cadeia de produção e na administração, assim como utilizadores do Montado a vários níveis.  Nessa sessão discutiram-se os pressupostos e caminhos para a sustentabilidade do Montado. As principais conclusões foram incluídas no Livro Verde que será agora editado.
Com o objetivo de dar visibilidade ao documento e promover o seu reconhecimento pela Assembleia da República, os Coordenadores do Livro Verde fizeram recentemente a sua apresentação na Comissão Parlamentar de Agricultura e Mar.
O Livro Verde dos Montados será um documento parceiro do Livro Verde das Dehesas, produzido em Espanha, pretendendo-se que, em conjunto, contribuam para o reconhecimento da importância destes sistemas agro-silvo-pastoris da Europa Mediterrânica no desenho das políticas nacionais e europeias.
 
Workshop "Conservação da Fauna Piscícola e Mudanças Climáticas”
 
O Workshop Conservação da Fauna Piscícola e Mudanças Climáticas em cursos de água de tipo Mediterrânico tem como objetivo contribuir para a partilha e discussão de conhecimento no âmbito da conservação de um dos grupos faunísticos mais ameaçados em Portugal assim como em muitos cursos de tipo Mediterrânico, dada a sua particular vulnerabilidade às mudanças globais. 
Com a colaboração de diversos investigadores especialistas, com especial destaque para a Dra Rebbeca Quinones da Universidade da Califórnia Davis, E.U.A, este workshop tem uma componente eminentemente prática na demonstração de ferramentas de avaliação e gestão das comunidades piscícolas em diferentes cenários climáticos, tendo como exemplo o caso da Ictiofauna da Califórnia.
 
Este Workshop decorre no âmbito do projeto de investigação “Alterações Climáticas e Comunidades piscícolas de Cursos de água de tipo Mediterrânico: impacto potencial na bio- integridade e implicações na avaliação do estado ecológico” financiado pela FCT (PTDC/AAC-AMB/102541/2008).

EM VISITA AO ICAAM


Susanne Gregor is a German Medical-Technical-Assistant working for the German company INOQ and visiting ICAAM’s Molecular Biology Lab for 2 months.
 

In Susanne's opinion, "the exchange between European Union countries, and between universities and private companies, brings real meaning to the european ideal - the ICAAM-INOQ-project provides a good example“. ...read more
 

Birgit Arnholdt-Schmitt (fourth from the right) is the head of ICAAM’s Molecular Biology Laboratory. The group presently hosts 8 post-docs and 3 PhD students, and focus on the study of functional markers. for stress resistance in plants.
 
"Related with the ICAAM-INOQ-Project I was asked to write some words about my experience in Portugal and ICAAM.

I started working for the german company INOQ in November 2011, and I felt very surprised and an honoured when Mrs. Schneider, the head of INOQ, proposed me to go to Portugal for 2 months to learn how to do research in a molecular biological lab.

In the beginning, it was like jumping into ice-water - „Can I do that?“ „Can I come up to expectations?“ -- „....and the language, my English is not so good!“ -- „Will I be able to understand people, and the other way around.“ -- Will I be able to do what I have to do?“ But I ended up enjoying my stay very much. I learned quite a lot, the colleagues are very nice, helpful and patient, even when I made some mistake.


The exchange between European Union countries, and between universities and private companies, brings real meaning to the european ideal - the ICAAM-INOQ-project provides a good example: ICAAM is a portuguese Research & Development Unit from  University of Évora and INOQ is a German private company. For someone coming from a private  company it´s great to be able to use the possibilities of all the available technical equipment and know-how and to be trained in using more sofisticated technical equipment that a private company can never provide due to its high cost; on the other side, people coming from a university to a small private company can learn something about marketing, placement in the market, distribution and so on.
 
Working and living in Mitra were totally new and enriching experiences for me, both at professional and personal levels: Portugal is a lovable country, even when the electricity and internet are off for sometime...  Thanks to INOQ, for giving me this golden opportunity, and to Dr. Arnholdt-Schmitt and all the lab colleagues for all the personal and professional help and support and for the many funny hours we spent together!"

Susanne Gregor


Copyright © 2019 *|LIST:COMPANY|*, All rights reserved.


unsubscribe from this list    update subscription preferences 

Email Marketing Powered by Mailchimp